quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

O MORO QUER DESTRUIR AS EMPRESAS NACIONAIS


Quem acha Odebrecht é maior escândalo mundial, veja as multas dos bancos da crise de 2008

Por Fernando Brito · 24/12/2016

campfraude2

 

Lamento informar aos que estão aí comemorando a descoberta do Brasil como o capitalismo mais corrupto do mundo, por conta da multa de  US$ 1 bilhão do Departamento de Justiça dos Estados Unidos que, como na Copa, perdemos de goleada para a Alemanha e para muitos outros np asqueroso “cammpeonato da falcatrua”.

Aliás, também foi de 7 a 1, como naquela tarde trágica no Mineirão. Porque foi de US$ 7  bilhões o acordo, entre multas e reparações firmado pelo respeitatíssimo Deutsche Bank com os americanos, por manipulação de operações bancárias e venda fraudulenta de hipotecas na chamada crise do subprime.

E com “desconto”, porque os americanos queriam US$ 14 bilhões.

Estamos muito longe de ganhar o campeonato mundial de falcatruas, que são a regra do capitalismo globalizado e parte da disputa de poder mundial. E se empreiteiro não é santo, banqueiro ganha dele fácil, nesta modalidade.

Perdemos feito também para os suíços do Credit Suisse, que levou uma bordoada de US$ 5,2 bilhões do Departamento de Justiça pelas mesmas razões, o que o leva a juntar-se ao seleto grupo dos bancões – os que sobreviveram, com larga ajuda de seus governos – JPMorgan Chase, Citigroup, Morgan Stanley e Bank of America, que acertaram outros US$ 40 bilhões.

Multas que serão pagas, claro, pelos usuários dos serviços dos bancos e pela população dos países onde operam, porque os governos os acham “grandes demais para quebrar”.

Como as da Odebrecht serão pagas com dinheiro de seus contratantes, em geral o poder público.

Não se trade de “fulano é honesto” ou “fulano é pilantra”, a máquina do dinheiro tem sua própria (a)ética.

Megacapitalista santo é como cabeça de bacalhau. Tem, mas você já viu um?

Em compensação. quem acha que bilhões e honra andam juntos, está cheio.

  • http://www.tijolaco.com.br/blog/wp-content/themes/hueman/img/share_wpp.png
     

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

RENAN E O PROJETO ANTICORRUPÇÃO

Renan Calheiros contginua desrespeitando decisões do STF. Primeiro foi a decisão do ministro Marco Aurélio, o qual foi desautorizado e desmoralizado pelos seus pares que voltaram atrás com uma votação de 6X3, isto é 6 ministros que cairam genuflexos, de joelhos, que se prostraram beijando os pés de Renan, um crápuçla, um pulha, um safado que emporcalha as nossa instituições. Agora, segundo a Folha de São Paulo " Renan de novo desafia STF e não devolve projeto à Camara", desrespeitando uma liminar do Juiz do Supremo Tribunal Federal Luiz Fux. Será que não tem ninguém, NA JUSTIÇA, com moral para brecar as trapaljhadas, as fanfarronadas desse canalha Renan Caljheiros?

terça-feira, 15 de novembro de 2016

O CAPITALISMO EXPLORADOR




  
¿Quién domina el mundo?Noam Chomsky , esse incômodo professor emérito do Departamento de Lingüística e Filosofia do MIT, retorna para a briga com um livro, quem governa o mundo? (Ediciones B, 2016), no qual, como normalmente os seus próprios, levanta uma questão sensível que  exige quase 400 páginas de respostas.
A mente brilhante da pessoa, provavelmente, melhor documentado do mundo insiste que a sua denúncia das atrocidades e enormes “erros” dos poderosos, e mais especificamente os Estados Unidos com sua seqüência de aliados, continuam a cometer todas as partes -agora significativamente na Síria – a pretexto de salvaguardar a segurança de pessoas em todo o mundo.
Essa atribuição arrogante se repete ano após ano, não importa o que o chefe da administração do país que continua a governar o destino das nações. Professor Chomsky é talvez o mais respeitável moscardo que acabou de sair do império quando se esforça em apontar, com sangrentos e esmagadora documentação, gafes e violações do direito internacional que conseguiu criar a maior insegurança do que nós apreciamos tudo em tempos da Guerra Fria.
Como o autor lembra -nos , longe tem sido o ano inquestionável que Abraham Lincoln conseguiu a proibição de assassinato no direito internacional, com a sua enérgica proclamação de 1863  contra o que chamou “banditismo internacional”, imprópria das nações civilizadas.
Neste livro, Noam Chomsky, na tradução esplêndida de Javier Guerrero , analisa as estratégias que mobilizam os americanos privilegiados nem sempre, para salvaguardar os interesses de Washington e do setor empresarial mais poderoso. Repassa, colocando o os  pontos das leis e panoramas atuais dos teatros de conflito, em particular na Palestina, e sua evolução a chegar onde estamos agora.
Coloca na mesa as circunstâncias que a mudança climática ainda é negada matando os pólos e habitat na selva, entre outras ameaças; Ele propõe duas maneiras de ver o que aconteceu no ataque terrorista contra Charlie Hebdo ; traçar um esboço histórico clarificador de como controlador do mundo que requer dutos que vêm do Oriente Médio e tudo o que se passa desde que Franklin Delano Roosevelt começou sua cruzada, apenas se instalou II Guerra Mundial.
A experiência da Chomsky para trazer as questões de história com que clarificam a situação atual é admirável. Pode concordar ou discordar com as suas conclusões, mas o que não se pode duvidar que qualquer pessoa com argumento comprovado e a capacidade de ver o que acontece no mundo, como isso acontece e quem está por trás leitor, a mão invisível do poder que intitulou um capítulo do livro.
O volume começa com uma atenção dedicada à responsabilidade dos intelectuais. Um coro que se repete a determinados eventos órfãs reflexões de peso dá o exemplo a de John Dewey, após a Grande Guerra (1914/1918) mudou seu posição de “autor intelectual” por “púlpito anarquista”, mostrando uma argumentação que não deu vozes como as de Rosa Luxemburgo , Bertrand Russell e Eugene Debs , que conhecia o frio dessas prisões.
Em suma, um livro de leitura altamente recomendável que chega a apaixonar, na qual Chomsky domina o exercício de troca de jogadores em situações de conflito, a lucubrar sobre as reações da opinião pública; ou incentivar o leitor a olhar para os eventos e ações dos líderes com olhos diferentes, colocando-o  para determinar qual a posição é eticamente plausível e a que não é.
Para aqueles que suspeitam dos Estados Unidos (o “estado terrorista”), Chomsky convida à reflexão com elegantes toques de ironia sobre a realidade que vemos diante de nossos olhos. Uma lição de história e hoje.
cuartopoder.es

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

CUBA EXEMPLO EM SAÚDE


                                  A SAÚDE DE CUBA

 É preciso ter em conta não somente o valor da vida, mas também o          valor da saúde humana[...]” – Fidel Castro, 28 de setembro de 1996.

 

            A saúde é um dos pilares da cultura humanista de Cuba, a saúde é um direito consagrado na Carta Magna cubana: “ Todos  têm  direito a que se atenda e proteja sua saúde. O Estado garante este direito” “ Cuidar da saúde do povo, evitar seus sofrimentos e sarar suas doenças é uma tarefa principalmente de ordem social e moral; mas também tem um sentido econômico, pois são os homens e mulheres do povo os que criam os valores e uma população trabalhadora, saudável e forte é imprescindível para o desenvolvimento”, assim se expressou Fidel Castro no 2º Congresso da Associação dos Economistas do Terceiro Mundo, em abril de 1981.

          Os problemas da saúde estão intimamente ligados com a estrutura de poder, do modelo político vigente. Infelizmente no Brasil, e agora piorado com a ascensão do Vice Traidor, que priorizam a mercantilização da saúde.  Um exemplo gritante foi a reação da categoria profissional médica contra o Programa Mais Médicos. Os mercantilista da medicina ficaram irados porque o povo, aos quais eles abandonam, teriam assistência médica da qualidade e gratuita.

           A realidade cubana está estampada nos dados do Sistemas Nacional de Saúde Pública Cubana que divulgou em 2015 os seguintes dados: a existência de 451 policlínicas, 10.782 consultórios e 1129 serviços odontológicos. 

           Com uma população de ’11.238.661 habitantes Cuba tem uma relação de 1 médico para cada 127 habitante; um dentista para cada 640 habitante, uma enfermeira para cada 125 habitante. E o Brasil como está?

          A política de solidariedade cubana está presente em 65 países nos quais Cuba presta colaboração internacional em saúde; aqui no Brasil não há essa solidariedade ao povão necessitado.

          A ELAM – Escola Latino americana de Medicina é uma referencia mundial no ensino da medicina.

O BRASIL QUE QUEREMOS




O Brasil que queremos não é o Brasil do Vice Traidor, presidente golpista e usurpador;

O Brasil que queremos não é o Brasil do Serra, ex-presidente da UNE na década de 60, que nos enganou por algum tempo;

O Brasil que queremos não é o Brasil de Aloysio Nunes Ferreira que diziam ser segurança e motorista do camarada Carlos Marighella, mas que na hora da sua execução lá não estava. Por que? Será porque era um informante do serviço de segurança nacional e internacional, um dedo duro? Aloysio também manteve relações no exterior, na França do Joaquim Camara Ferreira, O Velho como era conhecido na clandestinidade; todos os que tiveram contato com Aloysio Nunes Ferreira foram trucidados pelos esbirros da ditadura; só ele se salvou e, estranhamente, hoje é um dos  homens chave dos golpistas. Mera coincidência?, em famintos, em “ cidadãos

O Brasil que queremos não é o Brasil da Famiglia Sarney que inferniza a vida do povo do Maranhão, transformando sua população em escravos,  em “ cidadãos” de quinta categoria;

O Brasil que queremos não é o Brasil do collorido Renan Calheiros,que foi comparsa de PC Farias, cafajeste e corrupto juramentado, que no  chefia no senado federal uma quadrilha organizada composta por bandidos da mesma laia;

O Brasil que queremos , não é o Brasil dos coronéis, do norte e do sul do país, que comandam a nossa política nas câmaras de vereadores, prefeituras, assembleias legislativas, governos estaduais câmara federal e senado, fazendo troca-troca com filhos(as)(, netos(as), irmãos(ãs) e demais parentes e afilhados;

O Brasil que queremos sem essas pragas, esses câncer da politicagem nacional que, mais dia, menos dia, serão extirpados das nossas vidas, do nosso território;

Enfim, o Brasil que queremos é o Brasil, construído pelo e com o povo brasileiro, que sobreviverá à avalanche entreguista do Vice Traidor presidente golpista usurpador e seus lacaios que estão hoje aquartelados no Palácio do Alvorada e no Congresso Nacional.

Não passarão! Serão esmagados, cedo ou tarde, pelo povo! ; não é o Brasil dos coronéis, do norte e do sul do país,

GOLPISTAS QUEREM DESTRUIR O SUS



Destrucción del sistema único, público y gratuito de salud






El gobierno golpista de Brasil que destituyó a Dilma Rousseff sin base legal alguna no pierde el tiempo para arrasar con uno de los grandes logros de la Constitución posdictadura de 1988: el Sistema Único de Salud (SUS). Esta constitución determina que la salud es un derecho de todos garantizado por el Estado con acceso universal e igualitario a las acciones y servicios para su promoción, protección y recuperación mediante un sistema público, integrado, solidario y gratuito financiado con recursos fiscales. Cabe subrayar que el SUS no tiene un paquete de servicios sino ofrece servicios integrales a toda la población, incluyendo los de alta complejidad.

El SUS se ha construido a lo largo de casi tres décadas con muchas dificultades, dado que los servicios públicos de salud eran casi inexistentes anteriormente. A pesar de los obstáculos, este sistema ha abierto el acceso a 60 por ciento de la población o cerca de 115 millones de personas que antes no lo tenían. Para ello ha construido una vasta infraestructura y contratado equipos de salud para la atención. Con la estrategia de medicina familiar y un vastísimo programa de formación de médicos familiares con incentivos salariales se ha vencido la resistencia de los médicos de ir a zonas alejadas y pobres. A ello se sumó el Programa Mais Médicos, bajo un convenio con Cuba mediado por la Organización Panamericana de Salud. Ambos programas tienen áreas de responsabilidad territorial y sus equipos del sector trabajan con las comunidades en promoción y educación para la salud.

Sin embargo, 25 por ciento de la población brasileña tiene, además del SUS, planes o seguros privados de salud que le permiten acudir a los servicios privados, aunque generalmente no cubren las intervenciones muy caras que se canalizan al SUS. Este esquema tiene un costo alto para el fisco, ya que los planes, seguros y servicios privados son deducibles en el pago de impuestos y el sacrificio fiscal se calcula en un monto semejante a 22 por ciento del presupuesto público de salud. A ello se añade el gasto en planes privados de salud para los empleados públicos que cuesta al Estado el equivalente a 5 por ciento del presupuesto público de salud. Estos recursos permitirían fortalecer el SUS y disminuir su prolongado subfinanciamiento.

El ámbito de salud es un terreno de intensa disputa en Brasil y los aseguradores, así como lo prestadores privados tienen sus cabilderos en el congreso y, además, una bancada propia de parlamentarios. El SUS está hoy en la mira del ilegal gobierno de Temer y su implacable política de austeridad neoliberal. La ya aprobada enmienda constitucional "PEC 241" prácticamente congela los fondos públicos de salud durante 20 años lo que haría imposible sostener el SUS.

A eso se suma la propuesta de establecer planes de salud "populares" para los trabajadores del sector formal de la economía, eventualmente obligatorios. Estos planes tendrían un paquete de servicios restringido, lo que significa que los trabajadores perderían derechos al no contar con un SUS universal. Por el contrario, darían aire al sector privado creando un nuevo mercado tanto para los aseguradores como para los prestadores privados. En este contexto es de subrayar que los grandes sindicatos desde hace tiempo han negociado planes de salud para sus agremiados en franca contradicción con su tradicional papel de encabezar la lucha por lograr derechos sociales y colectivos para todos. El predominio de los intereses gremiales por encima de la solidaridad pavimentó así el camino para esta propuesta.

Adicionalmente, se están congelando las plazas vacantes en el SUS y no se renovarán las visas de los médicos que trabajan en Mais Médicos. Estas medidas van en contra de la constitución brasileña al negar el derecho a la salud como derecho ciudadano social remplazándolo con la salud como un bien de servicio transable en el mercado. Como lo expresó un economista brasileño, "están destituyendo a la Constitución", en alusión a la destitución ilegal de Rousseff.

Estos acontecimientos muestran el desprecio por la vida humana al sólo mantener una atención pobre para los pobres. No es tan distinto a lo que ocurre en México. El sistema nuestro también está fundado en la visión de la salud como un bien de servicio antes que un derecho irreductible de ciudadanía social. Los diversos seguros de salud –sean privados, de seguro social o el Seguro Popular– dan un acceso muy desigual y estratificado a los servicios de salud requeridos. La propuesta supuestamente de universalización, hoy reducida a intercambio de servicios entre las instituciones públicas, no obliga al Estado a garantizar el derecho universal a la salud, sólo es un mecanismo de financiamiento de estos bienes de servicios.

Fuente: http://www.jornada.unam.mx/2016/11/02/opinion/a03a1cie

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

A DERROCADA DO PT



unnamed
Editorial, Folha de S. Paulo
" Seja devido ao impacto devastador que a Operação Lava Jato tem provocado em figuras proeminentes do petismo —a começar do ex-presidente Lula—, seja por causa do desastroso governo Dilma Rousseff, nada marcou mais as eleições municipais deste ano do que a derrota acachapante do PT.
Partido mais sufragado em 2012, com 17,3 milhões de votos para prefeito, o PT caiu para a quinta posição nesse quesito, com 6,8 milhões, atrás de PSDB, PMDB, PSB e PSD.

Generalizada, a perda de apoio se traduziu em expressiva redução no número de cidades lideradas por petistas. Se a legenda saíra do ciclo de 2012 com 644 prefeituras, atrás apenas de PMDB e PSDB, agora despencou para 256, desempenho pior que o de nove siglas.
Com isso, o eleitorado governado pelo PT na esfera municipal encolheu de 27,6 milhões para 4,4 milhões. Nem se imagine que o segundo turno modificará substancialmente esse quadro. Embora a agremiação esteja em 7 das 55 disputas em aberto, seu candidato mal tem chances na principal, Recife.
Para completar a derrocada, pela primeira vez o partido ficou de fora do segundo turno na eleição paulistana. E mais: com os 16,7% do prefeito Fernando Haddad, o PT teve seu pior resultado ao disputar o comando de São Paulo —até então a marca pertencia a Eduardo Suplicy, com 19,7% em 1985.
Se na maior cidade do país registrou-se o fracasso mais eloquente do PT, aqui também se deu o maior êxito de seu rival. A vitória surpreendente de João Doria Jr, com 53,3% dos votos, simbolizou o sucesso do PSDB na disputa de 2016.
O fortalecimento tucano, contudo, foi muito além do quintal do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, sem dúvida o nome que ganhou maior projeção nacional.
Nenhuma legenda conquistou mais votos para prefeito do que o PSDB. Foram 17,6 milhões de sufrágios (ante 13,9 milhões em 2012), com boa margem sobre os 14,9 milhões do segundo colocado nesse quesito, o PMDB (que tivera 16,7 milhões há quatro anos).
O número de municípios comandados pelo PSDB também cresceu, passando de 701 para 793 e podendo chegar a 812.
Embora nesse ponto a liderança do PMDB permaneça inconteste, com 1.029 prefeituras (1.017 em 2012), o partido do presidente Michel Temer pouco aproveitou o vácuo deixado pelo PT. Não apenas isso, a agremiação fracassou em São Paulo e Rio de Janeiro, o que indica os limites do Planalto.
Num cenário de descrédito dos políticos em geral, não surpreendem nem as altas taxas de abstenção verificadas em algumas localidades nem o avanço das siglas nanicas. Pelo que o desfecho das disputas municipais projeta para 2018, quase todos os partidos tradicionais têm bons motivos para rever práticas e costumes.
Nenhum, porém, tem mais motivos do que o PT, justamente aquele que mais se recusa a fazer verdadeira autocrítica —e aquele que, como mostrou a população, mais continuará definhando se não mudar."
O TEXTO ACIMA, EMBORA SEJA DO JORNALECO CONSERVADOR, SERVE COMO REFLEXÃO A TODA A ESQUERDA BRASILEIRA E, PRINCIPALMENTE, AOS COMUNISTAS. POR QUE? PORQUE ESTÁ NA HORA DE VIRAR ESSE JOGO DE CONCILIAÇÃO;

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

LAVA JATO: A OPERAÇÃO DESMONTE

PGR quer fechar ciclo da Lava-Jato

pgr_2
Severino Motta, Radar on-line
O desentendimento entre a PGR e a força tarefa da Lava-jato em Curitiba deve piorar nos próximos dias.
Enquanto a cúpula do MPF entende que a Lava-Jato deve caminhar para fechar seu ciclo e buscar um desfecho, os procuradores de Deltan Dallagnol se recusam a compactuar com tal visão.
Na PGR, o temor é que a operação sem fim de Dallagnol municie os adversários políticos e jurídicos da operação e leve a Lava-Jato para um desfecho próximo ao da sua prima italiana, Mãos Limpas.
A noticia acima já é uma clara evidência de juristas golpistas que estão entrando na proposta do Romeró Jucá, isto é, ABAFAR A OPERAÇÃO LAVA JATO para LIVRAR A CARA da tucanalhada e DEMonios.

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

PRESÍDIOS NO BRASIL: FÁBRICAS DE BANDIDOS

O jornal golpista e reacionário Folha de São Paulo de hoje - 26/09/16-,que leio para contextualizar suas "informações", publicou matéria sobre presídio de Porto Alegre, tido como " um dos piores do país". As prisões no país tornaram-se depósitos de gente descartada, mas usadas nos servciços sujos, pelos capitalistas. Não existe uma política efetiva para os apenados no Brasil.Por que? Porque interessa às elites, bem como aos parlamentares negocistas, corruptos e chantagistas, manter o status quo vigente para terem um exército de reserva, barato, servil e criminoso, à serviço dos seus interesses escusos e sujos tais como: a pistolagem, o tráfico de drogas, o roubo, os grandes furtos, a prostituição e o trabalho escravo. São nas cadeias, nos presídios do Brasil, que se transformaram numa faculdade de formação dessa mão-de-obra marginal e "qualificada" para a criminalidade que as contratam com a colaboração e aquiscência de policiais corruptos. Há solução? Há, sim! Se tiver vontade política e honestidade poderão ser construidas grandes " Colonias Penais Agrícolas", com diversas especialidades nas áreas de ocupações laborais, com assistência técnica de agrônomos, médicos veteriários, técnicos agrícolas, assistentes sociais, etc., bem como das EMATER's, que viabiulizarão a produção agropecuária para abastecer os presos, bem como comercializar excedentes. Por outro lado ainda temos uma carceragem policial corrupta que são coniventes com a criminalidade, que precisam ser afastados de suas funções; alguns canalhas precisam até ser presos. Vejam que os Beira Mar da Vida tem tratamento vip nas prisões e comandam o crime de dentro das prisões. Pode? Podemos sim por um fim nisso e só vontade política e vergonha na cara dos responsáveis, porque no Brasil os presídios se transformaram em fábricas de bandidos.

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

A PROVA DA SELETIVIDADE

O quadro abaixo é uma demonstração do comportamento do Xerifão Moro que com suas ações seletivas protege os verdadeiros culpados. Esse juiz está a serviço do atraso  e do golpe .






A imagem pode conter: 6 pessoas , pessoas sorrindo

SUGESTÃO AOS BANCÁRIO

Greve continua

greve-banco-dentro
Da Banda B
"A greve dos bancários já completa 18 dias nesta sexta-feira (23), com 371 agências bancárias fechadas em Curitiba e região metropolitana, além de 11 Centros Administrativos e cinco financeiras. Segundo o sindicato, 15,6 mil trabalhadores estão de braços cruzados, o que representa 86% da categoria.
Os destaques continuam sendo as agências do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal, que estão com 100% das atividades paralisadas. Os Centros Administrativos do HSBC/Bradesco também estão fechados."
Se os trabalhadores do sistema financeiro nacional fossem, verdadeiramente, politizados eles lutariam PELA ESTSATIZAÇÃO DOS BANCOS. Esses banqueiros ganham sempre, seja na bonança, seja na crise. Nos dois governos petistas eles lavaram a égua; nunca ganharam tanto e também extorquiram a vontade sua clientela cobrando juros escorchantes; juros sobre juros, etc. etc. Está na hora de darmos UM CHOQUE NESSE SISTEMA: ENCAMPAÇÃO DOS BANCOS, essa a pauta de luta que os bancários devem defender, o resto, o resto " são tertúlias flácidas para ninar bovinos, isto é, num português rasteiro " é conversa mole pra boi dormir".

domingo, 27 de março de 2016

A MERCANTILIZAÇÃO DA PÁSCOA

                                                   
                                          Banksy
Dizem os hipócritas, os mentirosos que é uma comemoração cristã; na realidade transformou-se num comércio. Como ele os expulsou do templo, como vendilhões, o crucificaram. Assim agem os comerciantes, os capitalistas de todas as épocas; quando são contra  um líder os tiram de circulação; crucificaram Cristo e agora querem golpear Lula e Dilma.

sábado, 26 de março de 2016

PRECISA DIZER MAIS...?

                                                 
                                         Banksy
                                         Os vendilhões do templo continuam ganhando dinheiro com ele.